Categorias
reflexão

Riquezas

Valorize:

  • A família que tantas vezes se torna habitual.
  • Os amigos que costumeiramente convive-se.
  • O pão de cada dia sobre a mesa.
  • Os raios de sol aquecendo a pele.
  • O vento que acaricia o rosto.
  • As gargalhadas na reunião familiar.
  • A liberdade de ir e vir.
  • O amor da sua vida que te ama com doçura.
  • O amanhecer de um novo dia.
  • A saúde presente que pra tantos outros se faz ausente.
  • As flores que perfumam o jardim.
  • Os pássaros que cantam na janela.
  • O cachorro histérico que te recebe no retorno pra casa.
  • O lar para onde você pode retornar.
  • O gato que ronrona no seu colo.

A tudo isso, valorize.

Porque tantas riquezas são desprezadas? E coisas tão pobres são valorizadas? Será que a aparência vale mais que a essência?

Alguém tem corrido apressadamente em todas as direções buscando o ouro mas ele esta ali, bem ali do seu lado, no seu lar, nos simples momentos, na singeleza da vida.

Tudo que é verdadeiramente valioso não se compra com moedas de papel mas é conquistado a cada dia com amor, respeito, carinho, atenção.

Valorize hoje as riquezas reais, as quais você pertence. O tempo não é paciente, tem pressa. E a vida o acompanha sem pausas para o café.

Ariel Marques

Categorias
reflexão

VERDADES

Foto: Ariel Marques

Origine-se de sua profundidade. Seja legítimo de si.

O mundo precisa de verdades. Verdades ditas e vividas. Verdades cantadas e sofridas.

Vem e mostre-me as tuas. Diga-me as tuas aventuras, desejos, anseios, tristezas e alegrias.

O que ainda não foi dito? Ou sentido? Ou visto?

Recita-me sua nova poesia. Ofereça-me sua canção inédita.

Incita-me, e excita-me, e declare-me, e decifra-me.

Surpreenda-me, e embobalhe-me, e inspire-me com tuas verdades.

Crie, invente, revolucione, concretize-se.

Todos os outros já existem e você onde está? No reflexo de um espelho sujo de outro alguém? Ou naquele rolo de câmera que ninguém possui?

Ariel Marques

Categorias
arte cover música

TANTO QUE AMEI (Música e Poesia)

Cover: Platão pra Neruda de Lorena Chaves

O tanto que amei? Eu já nem sei. Mas do pouco que sei, estou certo que amei.

Já me deixei em muitas vidas e já trouxe muitos comigo.

Já alegrei muitos corações e entristeci alguns outros.

Já compus poesias e rasguei a folha em seguida. E então tentei colar os pedaços mas no final a poesia se perdeu.

Já amei verdadeiramente e verdadeiramente fui traído.

Já lutei anos por amor e desisti de lutar em poucos segundos. Quando lutei, perdi. Quando desisti, venci. Quando venci, não quis.

Já suspirei de paixão e já odiei ter me apaixonado.

Já amei como Platão e também como Neruda, e no final só uma coisa me restou: o amor.

E é exatamente o que preciso.

Ariel Marques
Categorias
reflexão

INESPERADO

“Desça do trem e aprecie a paisagem com os pés no chão.”

Onde você desejaria estar hoje se o teu hoje fosse como você projetou ontem?

Ariel Marques

Admiro muito a determinação daqueles que ditam suas regras de comportamento diante da vida e as seguem cegamente independente das circunstâncias.

Por outro lado, penso que a sistemática de viver sob tal logística tira o essencial sabor aventureiro da vida.

A vida convida: “Vem perder o fôlego num grande amor.”

O logístico grita: “Não é o momento. Não posso mudar meus planos.”

Possuir um projeto de vida é importantíssimo mas permitir-se é indispensável.

Há tantos sabores a se apreciar na vida, e os melhores são os inesperados: a amizade que surge de uma conversa na viagem de ônibus, o amor que nasce no banco da praça, chegar molhado em casa pela chuva que caiu sem avisar, contagiar-se pela alegria das crianças brincando na rua, reencontrar o amigo de infância não visto há muito tempo. Ah! Como é bom!

Mas parece que fomos programados a focar no destino da viagem com as cortinas fechadas para que não apreciemos a paisagem que se apresenta na janela.

Lá fora se vão as flores, o sol, a lua, as estrelas, os pássaros, as pessoas. Tudo se vai. E nós continuamos dentro do trem, olhando pro destino.

Amar, suspirar, sentir, sofrer, chorar, sorrir, gargalhar, duvidar, fracassar, vencer, recomeçar, perdoar. Tudo isso é viver. Tudo isso é humano.

Você tem vivido? Se permitido? Você tem sido humano ou um ser adestrado a alcançar o topo mesmo que isso custe todo o perfume do teu frasco?

Aliás, você tem perfumado o ambiente? Tem saborizado a vida de alguém? Tem sido poesia, música e amor? Onde você desejaria estar hoje se o teu hoje fosse como você projetou ontem?

Aventure-se no inesperado da vida. Desça do trem e aprecie a paisagem com os pés no chão. Toque o chão.

Toque o chão.

Toque o chão.

Categorias
arte Criatividade

GESTAÇÃO ARTÍSTICA

Criatividade é cansativa para alguns. Para artistas, nunca.

O processo de gestação artística nem sempre é fácil pois caminha pelas ruas de dúvidas, medos, bloqueios. Mas no fim a arte nasce. E é esse caminho sofrido que agrega valor e sabor ao filho.

Quando o artista não aborta mas gera, e sonha com o rosto do bebê, pinta o quarto, compra o berço, escolhe o nome. Esse bebê nasce e esvazia o ventre mas preenche a vida e renasce no artista a vida perdida em algum momento de sua história.

Como quebra cabeça que se encaixa. Peça por peça. Arte por arte. Peças indispensáveis para completar a imagem final

Crie, artista. Até que todas as peças estejam perfeitamente encaixadas sobre a mesa e sua arte conte ao mundo o que só pode nascer através de ti.

Ariel Marques